sexta-feira, 13 de novembro de 2009

Testemunhos


 
Maria Narcisa Gomes de Sousa, funcionária na Escola Secundária de Vinhais há vinte e cinco anos, depois de ter começado como servente no antigo Ciclo Preparatório de Vinhais, logo após o 25 de Abril de 74, é aos 65 anos uma mulher realizada e feliz (a recente confirmação de aposentação recolocou-lhe nos lábios aquele sorriso tranquilo de quem chegou ao fim de uma etapa e se sente satisfeita com o trabalho realizado).


A um curto passo da sua aposentação, conhecendo-lhe o gosto pelos livros, convidámos D. Narcisa a partilhar connosco a sua relação com os livros, com a leitura e o prazer que dela frui.

Para nosso regozijo, D. Narcisa aceitou o nosso convite com um sorriso carregado de entusiasmo, sem perder a humildade de quem acaba de ser surpreendida com uma proposta simultaneamente aliciante e assustadora, pelo receio de não estar à altura.

Eu gosto muito de ler, mas nem sempre fui assim. - Começou por nos dizer.

Quando andava na Escola não gostava, porque nessa altura, também tínhamos muito que estudar e nem dava tempo para ler. Ler era em história, matéria de que eu gostava muito. Era preciso saber tudo de cor. A gente tinha de saber o nome dos reis, os cognomes e quem eram os pais. Tinha de se saber tudo, assim como os rios, as províncias e distritos. Eu ficava cheia de ler, mas quando fiz treze anos comecei a ler.

Os olhos de D. Narcisa ganham um brilho mais intenso quando recorda os anos da viragem, como se o prazer então sentido, lhe corresse novamente pelas veias.

Tive a sorte de ter gostado muito do primeiro livro que li. – Confessa-nos - Então, daí para a frente foi só ler.

Eu morava numa quinta e não tinha luz eléctrica – nessa altura pouca gente tinha – e então eu lia à luz da candeia, muitas vezes até às três ou quatro horas da manhã. Porque, quando começava a ler um livro e gostava, ficava ansiosa por conhecer o fim. Eu li muitos livros e muitas colecções completas, como por exemplo: Os Cinco, Agatha Christie, Patrícia e muitos mais. Antes, eu gostava mais de romances, onde as relações amorosas me faziam sonhar. Agora, não. Agora, gosto mais de livros de acção e aventura e de suspense, livros que me chamem a atenção e me distraiam, porque a idade também já é outra.

D. Narcisa recorda-nos as agruras dos seus tempos de moça, deixando que por momentos uma ténue névoa lhe cubra o rosto.

Como gostava de ler e não havia dinheiro para comprar livros, ou pedia-os emprestados, ou ia à Biblioteca Itinerante e os senhores já sabiam de que livros eu gostava, pois eles já os traziam separados para mim.

D. Narcisa termina relembrando-nos o seu apego ao livro, deixando ainda uma mensagem aos mais novos, para que procurem no livro o aconchego que ela própria experimentou e continua a vivenciar.

Eu já li tanto que já não têm conta os livros que li e só peço aos jovens de agora que leiam, porque o livro é um amigo e uma companhia muito boa.


Obrigado, D. Narcisa e bem-haja.



Orlando Rodrigues, Professor Bibliotecário

6 comentários:

  1. É com grande tristeza, que vejo sair uma colega, ou melhor dizendo, uma grande amiga. Quando entrei pela primeira vez na equipa da Escola Secundária de Vinhais, foi ela que me deu a mão, apoiou e ensinou tudo o que sei. Houve algumas zangas, mas também momentos que nunca esquecerei. Quanto à leitura, e já lá vão alguns anos (tempo de estudante) que me lembro da Dª Narcisa de livro na mão. Pois não é preciso ter muitos estudos, a leitura fez dela uma pessoa culta e que fala sobre todos os assuntos. Pelo que foi, pelo que é, e pelo que será um muito bem haja. Também eu lhe desejo as maiores felicidades do mundo, nesta nova etapa da sua vida, Beijinhos.

    ResponderEliminar
  2. Parabéns à D. Narcisa e felicidades para a nova etapa.
    Foi excelente ler este testemunho. Espero que seja um incentivo para todos lermos cada vez mais.
    Prof. São

    ResponderEliminar
  3. Este comentário foi removido por um gestor do blogue.

    ResponderEliminar
  4. Fico muito contente que haja pessoas que sabem o mérito que tem, e que durante 25 anos deu sempre do seu melhor pelo trabalho que executou.
    Tenho muito orgulho de si!
    Fernando M. G. de Sousa .

    ResponderEliminar
  5. Há 25 anos que tive o prazer de inaugurar esta escola. Um quarto de século. Uma eternidade de convívios e de recordações. Comigo, colegas docentes e não docentes, acompanharam e estiveram presentes neste facto importante. A D.ª Narcisa estava presente. E disse presente.
    Ao longo de todo este tempo, ela foi a amiga que sempre me considerou e por quem sempre eu nutri uma amizade sincera. Sempre atenciosa e simpática, nem outra coisa seria de esperar da minha parte. Ela fará parte integrante das minhas memórias e eu espero que das dela eu ocupe um cantinho carinhoso a que pode recorrer quando se lembrar dos anos que por aqui andou e com quem tratou. É assim a amizade entre pessoas. A marca de um tempo que une os que, com sinceridade e sem interesse, conviveram, falaram e foram amigos.
    Para ela, as minhas maiores felicidades. Agora é tempo de descansar das fadigas de uma vida dada à escola e olhar em frente para a nova vertente da sua vida. Com muita saúde e felicidade, que a passe como sempre soube passar a que agora terminou: com alegria, confiança e muita amizade por quem sempre a rodeou.
    Que seja muito feliz.
    Professor Luís Ferreira

    ResponderEliminar
  6. Prof. Eduardo Sousa e Sousa22 de dezembro de 2009 às 12:57

    Sem muitas palavras...Obrigado por tudo!!!
    As maiores felicidades para a etapa que eu gostava de já ter atingido.
    Chegou a hora do "descanso".
    Beijos de gratidão.
    Daquele que sempre brincou consigo...
    Prof. Eduardo Sousa e Sousa

    ResponderEliminar