domingo, 24 de novembro de 2013

Feira do Livro

De 25 a 29 de novembro a Biblioteca Escolar, na escola sede, abre as suas portas para a realização de uma  Feira do Livro.
Do programa consta ainda a divulgação da curta metragem de William Joyce e Brandon Oldenburg - Os Fantásticos livros voadores do Sr. Morris Lessmore , vencedora de um Óscar em 2012.
 

terça-feira, 19 de novembro de 2013

Quebra-cabeças

Os vencedores do primeiro quebra-cabeças de Matemática são os alunos Ivan Ferreira, nº9 e Cátia Tristão, nº4 do 9ºA.

Resposta do problema nº 1: 15 cavalos.


Segundo problema em jogo:

2. ESPADAS DE MADEIRA (de 19 a 29 de novembro)

“O Dário e o Quico fizeram um combate amigável com espadas de madeira. Se o Dário tivesse perdido este combate, teria ganho o mesmo número de combates amigáveis que o Quico. Se o Dário tivesse ganho este combate, teria ganho duas vezes mais combates que o Quico.

            Quantos combates tinha ganho cada um dos rapazes antes deste?

Margaret C. Edmiston - Quebra-cabeças sobre Matemática


sábado, 16 de novembro de 2013

José Saramago

José Saramago completaria, hoje, 91 anos. Como forma de relembrar o escritor português, e galardoado Nobel da Literatura em 1998, deixamos aqui um poema e uma citação, bem como uma hiperligação à sua Fundação.


Intimidade
1922-2010

No coração da mina mais secreta,
No interior do fruto mais distante,
Na vibração da nota mais discreta,
No búzio mais convolto e ressoante,

Na camada mais densa da pintura,
Na veia que no corpo mais nos sonde,
Na palavra que diga mais brandura,
Na raiz que mais desce, mais esconde,

No silêncio mais fundo desta pausa,
Em que a vida se fez perenidade,
Procuro a tua mão, decifro a causa
De querer e não crer, final, intimidade.


"Sou um escritor atípico. Só escrevo porque tenho ideias. Sentar-me a pensar que tenho que inventar uma história para escrever um livro nunca me aconteceu e nunca me acontecerá. Necessito de algo que me sacuda por dentro e que se me agarre com força para que eu entenda que ali há qualquer coisa para contar."

Fonte - Tabu/Sol (2008)

sexta-feira, 1 de novembro de 2013

Livro do Mês

INFERNO, Dan Brown
Opinião de Carla Gregório

Li este livro para tentar sair da ressaca literária em que estava – é o que eu chamo quando não tenho vontade de ler nada – e encontrei-o muito bem estacionado numa prateleira da Biblioteca da Escola. Tinham-me dito que era um regresso aos tempos do Código Da Vinci e do Anjos e Demónios do mesmo autor. Não acreditei muito, já que depois desses dois grandes êxitos, o autor, para mim, tinha entrado em declínio.

Enchi-me de coragem e levei-o para casa. Duas tardes foram suficientes para o ler. Mal entrei na história, não consegui parar. Tudo se passa em 24 horas, Robert Langdon acorda num hospital, com amnésia e sonhos horríveis, alguém tenta matá-lo e ele quer saber porquê. A partir deste ponto, tudo se sucede a um ritmo vertiginoso, entramos no mundo de Dante, da arte, da história e das localidades italianas por onde vai passando. Em simultâneo, temos uma passagem pelos problemas da sociedade atual, do avanço tecnológico e das organizações legitimadas (como a OMS) e clandestinas.

Do meu ponto de vista, é um livro muito acessível: a ordem dos acontecimentos está, maioritariamente, por ordem cronológica; a ação é rápida, está sempre a acontecer algo de novo; a linguagem utilizada não constitui obstáculo; a informação histórica, artística e arquitectónica, que, para mim, é o que de mais precioso tem, foi colocada de forma muito clara e os elementos necessários à compreensão da história são recordados várias vezes. Como eu li o livro rapidamente, esse recordar foi o que menos gostei, mas compreendo que alguém, com um ritmo de leitura mais lento, goste dessa atenção. Se eu lesse poucas páginas e fizesse intervalos muito grandes na leitura, precisaria de uma atualização para lembrar o que estava para trás. Pois é isso mesmo o que acontece.

O Inferno de Dan Brown é um livro para quem gosta de policiais, ações rápidas, ou que goste de ler acerca de locais de interesse histórico, para os curiosos de arte e, sobretudo, para quem precisa de um livro para passar o tempo.