terça-feira, 24 de abril de 2018

25 de abril

A madrugada de Abril

E o barco da liberdade chegou ao porto naquela madrugada de abril. O tempo estava calmo. Ela desembarcou serenamente e aos poucos instalou-se em todo o porto.
A caminho vinha também a democracia. Todos esperavam por ela no porto silencioso. Não houve tumultos. Não houve correrias. Apenas os curiosos e os mais conservadores regiram a esse desembarque. Não troaram os canhões, não dispararam as armas. O povo estava pacífico.
           Pelas ruas que iam dar ao porto, distribuíram-se simbolicamente cravos em nome desse desembarque histórico. Os homens fardados distribuíam sorrisos e faziam gestos de vitória. Nas armas silenciosas, viam-se os cravos que alguém lá tinha posto em nome da liberdade.

Junto ao porto, à beira mar, muitos celebraram a chegada dos novos embaixadores. Os carros de combate simplesmente serviam de decoro na praça imensa. Não houve intimidações. Apenas abraços e vivas de vitória em nome de Portugal. Em nome dos portugueses livres finalmente.
Naquele dia de abril, ancorou a liberdade e a democracia no porto português.

                        Professor Luís Ferreira
(imagem

sábado, 14 de abril de 2018

Aprender com a Biblioteca Escolar

O presente trabalho, da responsabilidade dos alunos do 11.ºA, francês continuação, e da docente Madalena Rodrigues, foi realizado em parceria com a biblioteca escolar no âmbito do referencial “Aprender com a Biblioteca Escolar”.
A 1.ª parte consistiu na elaboração de um inquérito sobre a utilização dos média e do digital e posterior aplicação aos alunos da escola sede.
A 2.ª parte consiste na apresentação dos resultados do inquérito aplicado, na ferramenta Glogster(em francês) e em documento Word (Português).





Análise do Inquérito:
      Responderam a este inquérito 230 alunos com idades compreendidas entre os 10 e 18 anos de idade. 90% dos inquiridos afirmou ter acesso à internet em casa e 94,3% possuir telemóvel. Relativamente à utilização da internet, verifica-se que 67,8% dos inquiridos a utiliza todos os dias, 21,7% alguns dias por semana e apenas 10,4% aos fins de semana. Os alunos que mais horas passam na internet situam-se na faixa etária dos 13 aos 15, mas o número de alunos que utilizam a internet mais de duas horas por dia é de 41,7%. Esta utilização é feita maioritariamente nas redes sociais (33,5%), vídeos, música (33%), jogos (13,5%), pesquisa (10,9%), para estudo (7,8%) e apenas 1,3% para informação.
      No que diz respeito às redes sociais, 68,3% mentiu sobre a sua idade quando criou a sua primeira rede social. Apenas 8,3% dos inquiridos afirmou não possuir redes sociais. As redes mais utilizadas são Instagram (61,7%) e Facebook (25,2%). Destaca-se ainda o facto de 35,6% dos alunos referirem colocar fotografias nas redes sociais, 14,3% terem já sido insultados online e 9,6% terem por hábito falar com pessoas que não conhecem.
      Quanto à utilização dos média 60% dos inquiridos afirma que a internet é o melhor meio para aprender, , mas apenas 23% a consideram fiável. A televisão é considerada o meio mais fiável, 40%, mas apenas 22,2% a consideram importante para aprender. Os jornais e as revistas são considerados o 2.º meio mais fiável, mas apenas 16,5% os julgam relevantes para a aprendizagem. A rádio aparece sempre em último lugar das escolhas dos alunos.

quarta-feira, 11 de abril de 2018

Livros do mês


NUNO MATOS VALENTE
 BESTIÁRIO TRADICIONAL PORTUGUÊS

Esqueçam o Halloween, os Vampiros, os Trolls e o Pai Natal. Neste livro, só se fala de criaturas portuguesas. Quem são as Moiras Encantadas? Onde vivem? O que faz a Maria Gancha no fundo do poço e os Maruxinhos nas ruínas do castelo? Aquele som lá ao longe, na encruzilhada, será um Lobisomem ou um Tardo?
EXCERTO

“Quando uma criança se abeira do poço, a Maria Gancha lança-lhe os ganchos ao pescoço, arrastando-a consigo para o fundo.”
Relata-se ainda o seu procedimento perante o lançamento de uma pedra ao poço: “Ao ser incomodada pelo impacto da pedra, a Gancha desperta, trepa rapidamente pela corda do poço e lança-se à pessoa sem piedade.”







POESIA DE FERNANDO PESSOA PARA TODOS
Esta é uma primeira antologia da poesia de Fernando Pessoa que se pretende ao alcance de todos: crianças e adultos. Nela se reúnem não só os poucos e por vezes divertidos poemas que escreveu para crianças, mas também outros cuja leitura é acessível aos mais jovens.

EXCERTO
Do seu longínquo reino cor-de-rosa,

Voando pela noite silenciosa,
A fada das crianças vem, luzindo.
Papoulas a coroam, e, cobrindo
Seu corpo todo, a tornam misteriosa.

À criança que dorme chega leve,
E, pondo-lhe na fronte a mão de neve,
Os seus cabelos de ouro acaricia –
E sonhos lindos, como ninguém teve,
A sentir a criança principia.
(…)